A maneira de me sentir vivo...


Á minha maneira, estar sozinho
É escutar a noite vasta
Como pardal sem nicho,
Aguardando a tua volta.

Á minha maneira, tud’o que existe
Dentro do teu olhar me faz falta
E me deixa doente
De claridade tanta.

Á minha maneira, levo-te céus
Á espera que os preenchas,
Com os dedos teus
E cheiro de rosas nossas

Á minha maneira, a medida exata
Do tempo são nossos corações a bater,
De Igual, até à fatal data,
Em que o primeiro de nós, morrer…


A minha maneira,
Parecendo afastada,
É sincera
E ardente, Parecendo apagada…

Mas, a minha maneira
De t’amar tem de ser revogada,
Se depois de deitar tudo por terra,
Tento salvar tu’alma afogada.

Se é a maneira de me sentir vivo,
Que tu ocupas plenamente…
Eu, sem ti, sou uma linha desenfiada...

Jorge Santos (11/2012)

3 comentários:

Jorge Santos disse...

Obrigado

Carla Trindade disse...

Jorge, poemas sempre emocionantes, e poderosos... mas este, este poema de amor... será o melhor?
Parabéns!
Aguardo o livro. Quando sai? ;)
Beijinhos para vocês

Sónia M. disse...

Um poema de amor lindíssimo!
Parabéns.

Deixo um beijo
Sónia

tradutor

center>

Arquivo do blogue