...que fizer por cá...





A sabedoria não é o princípio e o fim do mundo, o céu,
Limite é aliado da minha inteligência apagada,
Comum é a altura total do quanto é curto,
Sabedoria é não entender bem tudo,

Estar calado, não escutar solto
É o inconveniente omitido,
É coisa alguma, é o estar
Sem estar perdido, o ar

É o cabelo dum morto
Sagrado, é o labirinto
É o subir num estrado,
Sem alcançar certo publico

Debaixo, a concha, o bivalve
Em si, o presente, a serenidade,
Sabedoria é a certeza que se tem,
De não entender o sentir sem o saber pesar,

Sabedoria não é um luxo, é um dever, uma reação em cadeia…

Dêem a um homem uma máscara de papelão,
E ele vos dirá o que não sabe, mesmo o mau e pobre
Dêem-lhe um espelho liso e ele verá apenas no reflexo

O que quiser ver, se lhe derem uma testa de cobre e zinco
Obterão um ser d’estanho toda a justiça lhe caberá por direito,
Causa efeito de qualquer guerra e conflito, o tudo e nada,

A noite, a sombra, o ilustre, o encoberto e o mandado
Em retorno fracassarão as ilusões, ideologias
E a inteligência será mandato, dirigente,

Subirá ao púlpito a mediocridade,
E o subterfúgio a maldade,
Ao palanque, o justo

A mente, a razão
E a obra
Qu’fizer
Por
Cá.

Jorge santos (12/2014)

Dorme em mim parte de um país sem teto.




Não sei em que praça-forte pára,
O mando Deu-la-deu real ou fábula,
Não sei se m’avergonhe de seu
Móbil ou me agache, repleto d’honras,

Era mestre das grandezas que ditei,
Ou diria o meu espanto, se dizê-las,
Já não fosse meu nesse encanto, os feitos
Na ilha dos insatisfeitos, eu de facto

Nem memória, quanto mais história-
-Tempo na escala humana e terreno,
Era mestre das grandezas que fazia,
Com espadas e navios escunas, me vejo

Na ilha dos insatisfeitos mansos
D’agora, que se m’acaba o mando
E o navegar e a descoberta vã,
Sem esperança boa me acabo raso,

Manso como escama de peixe fome,
Fosse cruzada pátria minha heróis,
Sem nome lá onde ficou encardido, dado
O estandarte do deve e dever chão,

Não sei em que praça-forte pára,
A ilusão tão feia da certeza que sou,
Nem nobre nem cavaleiro d’então,
Sou a sombra ruim d’algo que cruzou,

Os céus e não era eu era Deu-la-Deu
Infante, honra que de haver me esquece,
Incolor o meu manto o meu cinto,
Dorme em mim, parte dum país sem teto.


Jorge Santos (12/2014)

Canto ao dia, pra que à noite não...



Conto-te o que sei, do que sei
E do que me não atrevo saber,
Não conseguirei eu jamais ignorar
Conto-te do sol que transborda e sobe

P’los meus olhos, da palavra primeva
Secreta que abre nos sonhos a cesta
Do profeta, do que prometeu Eufrates
Ao Tibre, da Maria, da alegria do parto

Sem dor, conto-te da desilusão do desencanto
E do actor sem paixão ter nem a ilusão
De sentir melancolia sem choro do esperar
P’la lotaria sem jogar no gamão

A perda de Deus sem querer conquistar céus
Conto-te o que sei do que sei, do encontro
De mim em mim e não do que fiz d’assim tão
Mal em transportar etéreos sonhos, quantos

Que não entendo mas não abro mão,
Conto-te da inveja que o filósofo tinha
Em rapaz, plo choro dos desterrados,
C ’mo Juíz p’las Tábuas da lei em silencio,

Conto-te quanto me tornei incapaz,
Inversamente à razão, ao vento, ao ar
Que me traz saudade do ser que não sou,
Nem me atrevo cedo a ser o sonhar laudo,

Conto-te tudo o que à minha lembrança
Vier, pois tudo regressa, excepto aquilo
Que a gente perde depois da manhã negar-se,
Em chegar cedo.


Jorge Santos (12/2014)

(Ouçam-me, pra que eu possa...)



Ouçam-me só, para que eu possa…

O que escuto possuí um nó oblíquo como o destino,
Tem vazios e interstícios complexos, ausências,
Prevalece o que puder eu fundear entre as marés,
Amor, saudade ou o que a serenidade existencial

Conseguir não explicar e o que eu escuso,
Apesar de ser segredo, debato-a comigo,
É uma Pérgula d’esguelha com roseiras,
Nem-abertas nem-fechadas, invisível

Da entrada. O que me dói tanto é oblíquo,
Quanto a esfera armilar, do lado onde tudo pende,
É abismo fundo em mar noz, donde parece,
Ninguém vem e onde nem no chão cresce avenca,

Que erre eu o rumo tanto se me dá e ainda assim
Entendo mas não estou errado quando escuto
O preciso momento em que absoluto iniquo
Do meu pensar toca o imo do que sinto,

Se calhar atento, eu escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa, nasço
Ao destino com alfaias em forma de sinetas
De mil por mil alternáveis movimentos de ir e de vir,

A minha vida cresceu enviusada e em nó,
Ouçam-me só pra que eu possa ouvir
Quem cala e passa, que me diga onde pára
Meu destino, longe amonte e me foge ocioso,

Sem amarra nem mar pra parar,
Onde há-de ele me ir sonhar,
Onde há-de ele me vir sonhar,
(Ouçam-me só, pra que eu possa…)


Jorge Santos (12/2014)

Gente em Technicolor...



Demónio benevolente ou Dragão,
O perfume seu não deixa indiferente,
Minhas narinas de peixe gato ou balão,
De sentirem o que é urgente,

Preciso do sentir desta gente,
Pra sentir de que sonho eu sou
Parte, pra o descrever num aparte,
E mastigar os aromas inteiros,

Sentir o calor do sol tártaro e intransigente,
O brilho da lua, pitada d’estragão,
O sal do mar quanto baste,
E as lágrimas quando o mar bate,

E se o sal me cega de cegueira,
Inexplicável permanece, o sabor a terra,
Demónio benévolo ou dragão bastardo,
Não me deixes indiferente,

Nem ao próprio inferno de Plutarco,
Se isso servir meu coração diverso,
De imaginação rosas e rostos,
Misturados de perfumes e gestos,

Colados a grude nesta alma,
Que se pensa flor,
Sendo gente-de-sonho-menor,
Que a natureza a sonhar,

Ser gente supra em Technicolor,

Jorge Santos (11/2014)

Nada me pertence.


 
Nada me pertence mais que as memórias do uso a que me dou,
Sirvo tudo o resto e acabarei por esquecer, nu e em branco sótão,
Como tudo o que faço, fazendo disso o que se chama um jantar a 2,
Como a ilusão num acostumado raso prato, jantando-nos no alto divã,

Na divisão de barraco que em mim mora, pode ser amanhã ou foi noutra
Era d’antiga hora, onde não existo nem quero insistir.Fora d'portas
Nada me pertence mais do que uma trouxa e a memória destas notas,
A firmar que estou eu entrando no sonhar que esquecer não quero,recuo

Senão quando o ouço clamar ao ouvido incincero dizendo adeus,
Como sonho ido embora, esqueço o que diz meu barraco coração
Agora mesmo e se chora partido, perdido e sem historia ou vã-glória,
Mas conscienço-me que foi par’outro estado novo, estrada que não vou

No meu ir, fui noutra e minha e vou plas masmorras que minha vinda
Sentiu e soam no passado que sou e me mal'agrado, ou mal'm’agradeço
Do limite que me limita a felicidade que volta na memoria esteira
Minha e desses outros tolos, tantos e todos. Cansei de mandar em mim

E no que há acima da morte, quiçá se chama sorte ao Deus-dará,
No entanto nada mais me compraz que ler de frente pra trás, o que foi
Dito como às voltas numa estranha errata, sem começo nem fim,
Encerrada, errado sentir - oh Deus meu que nem ao meu desespero

De parado tempo me afeiçou, nem eu rezo d'joelhos avé marias,
Zero, zé ninguém sem decisão ,doente por dentro e com o historial dum'sisifo,
Sendo eu noutra paralela historia o absurdo da peste e o surto,
Com que empesto um mar de vida ,que em mim vive intenso, imenso,

Nada mais me pertence que esse mal de pensar que vem  em mim dentro,
E cobre d'igual indiscrição a acrescida fronha, em que meus
Desgrenhados sonhos ponho e comunicar tento,,,



Jorge Santos (11/2014)

O Homem é isto...


A natureza do homem é isto,
Um número primo que se fez vida,
Contra todas as probabilidades existe.
Como vontade não se realiza, provoca-se
-Digo eu, pra que me perceba, depois

Insisto no horizonte subtil, querido
Existo em mim na mesma nomenclatura
E na mesma derrota curvada, abandono…
Os antepassados que exprimo, calo
E desnecessariamente abafo

Acredito no propósito belo,
Da natureza e no homem convicção,
Composto de êxitos e fracassos,
Sei que depois do que fomos, nada é nosso,
Nem mesmo o coração deitado,

A natureza do homem é isto, algo
No meu sorriso e desabafo,
O descambar de impérios vistos,
E qualquer coisa na vontade,
Parecendo coisa alguma,

Mas que se vê ao longe,
È EMOÇÃO È VIDA, canta-se,
 (e encanta quando se encontra a si)
O Homem é isto...

Jorge Santos (11/2014)

O frio sentir do meu rosto.





Qualquer coisa eclode em meu dormir,
Um som extenso, intenso, estrangeiro
Entra p’la noite e em mim adentro ,
Toda’noite calada, excita meu sentir

De corvo dileto, que coabito na noite, visitante
Do mau agoiro, no sangue-frio da alma,
Qualquer coisa rodeia meu dormir,
Angustia, tragédia, danação de viúva morta,

Do passadouro do pilar-comum da vida,
Vem um rumor oculto, quase choro, balio
Vazio de rostos e sentidos de quem não vive,
Quantas vezes penso fugir, eu preso no limbo,

Do que eclode em meu dormir e peso
O som, peso a angustia, em mim criada…
-Criado velho, tal o meu anseio arcaico,
Da transfiguração, da maldição infinita,

Qualquer coisa de roda no meu dormir,
Um prazer infame de gestos frios, carentes,
Parceiros do inatural som, que em mim não dorme,
Como a noite tardasse em apagar o mundo,

Assim meu estranho coração apagou, dum-todo.
Gostaria de sentir o que os outros sentem, a meias,
E eu mesmo sentiria, veias minhas
Nas coisas que digo velhas, frias.


Parecem queimar como bagaço ardente,

 Na verdade é uma maldição,

Aquilo que carrego desde que trasvisto,

No espelho, o frio sentir do meu rosto.




Jorge Santos (11/2014)


As Estrelas,os Estrôncios e os Sonhos...





As Estrelas, os Estrôncios e os Sonhos.

Gosto do que gasto, duma dúvida suposta,
À luz movediça que gasto, forte e ravessa,
Passa, baça Pessoa, inquietação que gasto,
Gasto o tempo, gasto o grito instinto, rezo
Grégoras, aflito, inatural dantesco, Freud e sonho.

É dessagrada a mudez minha e a nudez báltica,
Da caliça e da estátua grega, cimento sacro,
Sacros meus rins e varizes espessas, espicaçadas,
Gosto quando m’aposso, sem possessão, d'Isolda,
Que se lixe Pessoa, chega, libido meu, viuvez,

Estive triste e contente duma vez, alheio a tudo…
A montanha d’m’achar, mas duvido que me procure,
No caminho em curva, pra recordar Caeiro D’andas,
Ou mesmo o rebanho sem desejos, Reis, páginas tantas,
Atraiçoaram-me, chega, d’egos, mitos e Campos,

Estrelas e Estrôncios, calor súbito que não dura,
Amor que se ergue e declina num ápice, nem lembro,
Fixado na emoção de reaver o que a minha jugular
Interna pressente, “O deve e o haver” da dúvida
Convertível em cinza, - antes fosse, lírica a areia.

Dos mares que não sendo, são três, engoli um reles,
Desagradável sabor a vagão, a fumo,-oh Deus meu…
Das estrelas estacionadas, dos estrôncios veios
E dos sonhos vãos, larvais, lavados, gosto a gasto.


Jorge Santos (11/2014)

(imagino que'inda o amo)




 (imagino que ainda o amo)

Sou indiferente ao homem,
Homem -  cigarreira, crime,
Sendo o homem uniforme,
Assassino, tenente,
Insulto, júri e juiz,
Carreira de tiro, ódio,
Homem Adamastor anónimo,
Homem dor sofrimento,
Homem carcinoma,cisão,
Homem bacio grosseiro,
Homem extinção cão de fila,
Ionesco vendido em pilha,
Lição à mostra no e-bay,
Homem vasilha, bacilo,
Homem televisor ecran,
Reagente tardio e temente,
Homem tardo baço demente,
Homem sem tino cegueira,
Bosta de cavalo crua,
Homem carroceiro de rua,
Destino curvo contra-mão chulo,
Inútil frio suicídio esgar,
Desenquadrado delito,
Convicção conveniente,
Amordaçada proveta,
Proxeneta prostituto,sarjeta,
Para-brisas chiante,
Invertebrado sifrão,
Broccoli  in-victro,  
Sangrenta raiva de cão,
Sem carácter, vinho acido,
Cínico afronta canseira,
O homem confronto,
Barreira, homem sifão,
O criado ultramudo e provisório,
Servo caseiro despojado,
Espargo lácteo, vazios…vazios

Tenho uma fome dantesca,
De ingrediente queimoso na língua,
Do frenesim da orgia, do romance de cavalaria,
Do Romanesco sermão da montanha,
Do futuro se ind’existe, do arrojo,
Da Harmonia de romã tinta cheia,
Do autor, da Justiça intransitória,
Pero sadia e dum pero sadio também,
Do despojamento da alma, vagão,
Do intransigente, do sânscrito, do Incriado,
Do instigante, do intrigante, da invenção,
Do confidente e da confiança,
Do homem cor tição, homem braseiro,
Homem químico, homem gerador,
Homem paladar, homem pimenta,
Alcunhei-o eu de Godo, druida, intenção,
Estrela, magia, alquimia, poeta, visão,
Homem arrepio, não de frio, balada, canção,
Para-raios vivo do céu, aviso, homem Actor,
Homem praia, tinto arroio, adivinha,
Ernest e o subconsciente que o sente,
Homem elefante, disfarce, mão cheia,
Gente..quem dera..quem dera

Sou a metáfora da Mata Hari agente,
A liça do cancro do homem morto,

Nada me interessa, nada disso, nada sou
Transito roubado ao penhor de um curioso
Homem quási-morto, qu’inda em mim vive
E noto - imagino que ainda o amo-


JORGE SANTOS (11/2014)

tradutor

center>

Arquivo do blogue