Estátuas de cal-viva.



A palidez excessiva
É o que torna perpétuas
As estátuas de cal-viva
E tristes as madrugadas,

O que posso dizer,
Dos donos das heras,
Devorados p’la larva pária,
Da honra de não morrer.

-Como querendo não querer-
Assim escrevo…
Por impulso, duvidoso                                                      
Do paradigma que sou,

Assumo o meu ser
Inacabado,
Celebro o que falta
Dizer sem dizer,

Oxalá o dia
Acabasse manhã cedo,
Para que pare o querer
Libertar-me
Do tributo
Que presto ao pensar,

Acordar de novo,
Não sendo servo do que escrevo,
Aonde não houvesse chão,
Num colchão de ar,
(Se de poesia fosse feito)

Mas só estou triste
Numa face,
A outra não resiste
À cal e perece,
Consciente, esquecida.


Jorge Santos (01/2013)

2 comentários:

Alice Luconi disse...

Um poema belo , profundo e forte!

Gosto muito de ler textos assim... significativos.

Meus parabéns!

Um abraço,

Alice

Jorge Santos disse...

obrigado

tradutor

center>

Arquivo do blogue