Erva Maldita


Minh’alma é estranha tanto e a vontade mar d’engano,
De verdade, nem sei mesmo quem n’alma tenho,
Que faz meu, um sentir estranho e tê-la eu, pequeno…
Quem dera não ter alma no lado onde o pensar tenho
Nem a infinita variedade de memórias da hidra, ao menos.

Sinto que há em mim, alguém além de mim e maior que eu,
Tenho diferentes sonhos segundo os meses, minutos e anos,
Todos de uma perene doçura, misturados com um sonho meu,
Terreno. Possível é passarmos oceanos sem terras vermos,
Mas quando sentimos é como se crescêssemos uma etapa nova,

Acrescentando esse dia a um mês e a um ano sem longe nem longe
O que interessa saber se o Sol faz o pino durante o Equinócio
Ou Imaginar de pau as andas de um espírito fantástico que foge
Se vendo bem só venho de meus astrais mapas lembrar o ofício
De um sonhar d’alma não meu mas d’outros eus, (maldita erva)

Minh’alma é estranha tanto e a vontade erva do engano
De ser eu ou ter meu um outro qualquer antigo dom, sobejo.
Não esta fria paisagem d’alma, (cão vesgo de um velho dono)
Prefiro não me achar, que não gostar do espelho que vejo.
(Maldita erva, maldita erva, maldita vontade serva)

Jorge Santos (03/2014)


Quem me dera saber, qual é o escrever meu.



I
Quem me dera saber qual é
O escrever meu, lacónico ou não
Executado em granito, (por prazer)
Ou dourado como o infinito,

Nas palavras que, sendo puras,
A humanidade abusaria,
E não da cicuta pra sarar do sonho
Mas do raciocínio crónico, a frio.

II
Não conto no Outono com as cheias,
Porque que haveria de contar,
Se no Inverno de noites frias,
Ouço contos de encantar,

E no sal de minhas veias,
Correm fios de mar,
Nadam meigas sereias,
De onde todos estão, até onde o mar acabar.

III
Há nos silêncios do céu,
Uma tão grande acalmia
Que, às vezes, pretendendo ser dia,
Pareço anoitecer,

Como se fundasse eu, o universo,
Sendo feia e meia a cidade.
Se de facto sou feito,
De grandes sonhos,

Porque sabem a pouco,
Os dias e pequenos
Os sonhos que dito p'la cidade pacata
E divulgo como fossem

Invulgares frisos
Fechados a chaves 7 num tenro peito
Tendo a serventia dum mundo
Que não me serve de todo

Nem no bruto universo,
Acaso o curto
Movimento, não seja meu,
Mas ele outro.

IV
Quem me dera
Ter a têmpera branda do ganso,
Na mobilidade fixa dos astros,
Se colo o rosto no vidraço,

Se no que faço,
Ser sei, meus dedos fracassos,
Sei, com velas de cera,
Pintar poemas, em magros vasos.

Ou melhor,

Quem me dera
Não ter asas de estar, pra voar
Baixo, mais rente à Terra,
Se nos rios dela, pra vir chorar

Sou vedado. Sem verdade nem proveito,
O sofrer me quebrou a vontade
Quedou o doer d'antes, o "sem cidade"
Quebrou a face no amargo ofício d’escrever

V
Quem da dor se achava fiel acolito
Caiu em ruinas
Por olhar dentro dele e dum outro.

Há no distante do céu,

Algo que queria na Terra eu ter,
No silencioso escrever meu,
Um absoluto e louco querer,
Uma proposição que caminhasse, ao meu lado.

Jorge Santos
03/2014

tradutor

center>

Arquivo do blogue