Imperturbável...


(Onde estou não é onde bebo,Nem onde pesam meus pés)


Respiro devagar, ainda assim
O aroma fresco não vá fugir de mim,
No barulho ou no lodo da ribeira,
Que se queixa de correr pra

Longe, pra tão longe, quanto não pode
Estar de mim separado o odor que tenho
No corpo, acre e carmim...delfim,
Respiro devagar ainda assim,

Um aroma suave e doce a romã,
Que quase posso comer e tocar
Na calma calma da manhã,
Sente-se na densidade dura, o ar,

Ainda assim respiro devagar,
Não vá desaparecer, o saber
Que anteontem a noite tinha,
No aroma, a tinta fresa,

Na sala que me encerra,
-Aroma a memória e tempo
-Acre e carmim –amêndoa-madura
Ou Jardim de erva aparada.

Respiro devagar o aroma,
Que me é dada ao sorver
Toda e cada manhã, sabor da alma...
Imperecível, Impartilhável, imperturbável.


Jorge Santos (10/2014)

3 comentários:

Jorge Santos disse...

pasto todos os meus sonhos desperto,
que faria eu dos sonhos, se dormisse,
nem que fosse por um curto momento
num sonho que do meu rebanho não fosse

sonho os meus sonhos do avesso
pra que ao dobrar veja o lado certo
e no espelho eu não pareça tão só
sonho os meus sonhos de perto

pra que longe deles não me perca
de outros que hão-de vir de perto
tresmalhados, sem moiral,pastor ou guarida
aos quais darei abrigo, forragem ou seco pasto...

Pasto rebanhos e hipérboles...

Graça Pires disse...

Respirar devagar para não perturbar a beleza das palavras...
Abraço.

Jorge Santos disse...

incomensurável é a beleza sua nas palavras e nas que aqui deixa,muito obrigado (pra todos vocês eu escrevo)

tradutor

center>

Arquivo do blogue