Tão natural como vim ao mundo...


                                                                                                                                                   O  Génio da  Céltia

Um dia vou querer estar desse lado, pra puder ler,
Porque os que lêem têm olhos no ser e os que escrevem,
Apenas fingem ter, quero numa fase, deixar o sofrer
Que nem dor me deixa ter porque a receio, ela vem

Na menos valia dos meus tendões em peleio, sem guerra,
Quero encontrar clareiras desta maneira, longa de velha
Mandar pra outro mundo a tela que tem o princípio do eu,
Para que crie vazios na consciência, com’essa multidão alheia

E tola, todavia minha igual. Sou do tamanho da decepção divina
E um dia vou pegar dessa maneira pouco original
A vida e quando estiver de boa disposição vou apagar
Mormente o que mais temo nos outros, o próprio eu

Inútil, Vale esta negação que credito e a que me agarro
Sem conceber o modo, e como, preciso extraí-la
Do fundo de mim a ferro, mesmo sem o acordo do espirito,
Pois sendo, não é o poeta que o diz, sou eu apenas

Em mim dentro. Metendo o nariz onde me diz
Respeito e não, a vós-outros. Espanto-me com a noção
De consciência, quero-vos contar o que nunca contei,
Talvez por distracção ou esquecimento ou insegurança,

Não os distingo, contradigo-me e contrario-me consciente,
Tendo da realidade uma espécie de sonho meio,
Pois sei que um dia vou querer estar desse lado,
Pra me puder entender natural, como vim ao mundo.

Jorge Santos (10/2014)

2 comentários:

manuel marques Arroz disse...

"Não os distingo, contradigo-me e contrario-me consciente,"

Parabéns.

Abraço.

Anna Bielaszewska disse...

hello
an interesting blog

What about mutual observation of blogging?
If so, let me know in a comment

Have a nice day!

http://aneczkaa123.blogspot.com/2014/10/szaro-black-duet.html

tradutor

center>

Arquivo do blogue