...que fizer por cá...





A sabedoria não é o princípio e o fim do mundo, o céu,
Limite é aliado da minha inteligência apagada,
Comum é a altura total do quanto é curto,
Sabedoria é não entender bem tudo,

Estar calado, não escutar solto
É o inconveniente omitido,
É coisa alguma, é o estar
Sem estar perdido, o ar

É o cabelo dum morto
Sagrado, é o labirinto
É o subir num estrado,
Sem alcançar certo publico

Debaixo, a concha, o bivalve
Em si, o presente, a serenidade,
Sabedoria é a certeza que se tem,
De não entender o sentir sem o saber pesar,

Sabedoria não é um luxo, é um dever, uma reação em cadeia…

Dêem a um homem uma máscara de papelão,
E ele vos dirá o que não sabe, mesmo o mau e pobre
Dêem-lhe um espelho liso e ele verá apenas no reflexo

O que quiser ver, se lhe derem uma testa de cobre e zinco
Obterão um ser d’estanho toda a justiça lhe caberá por direito,
Causa efeito de qualquer guerra e conflito, o tudo e nada,

A noite, a sombra, o ilustre, o encoberto e o mandado
Em retorno fracassarão as ilusões, ideologias
E a inteligência será mandato, dirigente,

Subirá ao púlpito a mediocridade,
E o subterfúgio a maldade,
Ao palanque, o justo

A mente, a razão
E a obra
Qu’fizer
Por
Cá.

Jorge santos (12/2014)

Dorme em mim parte de um país sem teto.




Não sei em que praça-forte pára,
O mando Deu-la-deu real ou fábula,
Não sei se m’avergonhe de seu
Móbil ou me agache, repleto d’honras,

Era mestre das grandezas que ditei,
Ou diria o meu espanto, se dizê-las,
Já não fosse meu nesse encanto, os feitos
Na ilha dos insatisfeitos, eu de facto

Nem memória, quanto mais história-
-Tempo na escala humana e terreno,
Era mestre das grandezas que fazia,
Com espadas e navios escunas, me vejo

Na ilha dos insatisfeitos mansos
D’agora, que se m’acaba o mando
E o navegar e a descoberta vã,
Sem esperança boa me acabo raso,

Manso como escama de peixe fome,
Fosse cruzada pátria minha heróis,
Sem nome lá onde ficou encardido, dado
O estandarte do deve e dever chão,

Não sei em que praça-forte pára,
A ilusão tão feia da certeza que sou,
Nem nobre nem cavaleiro d’então,
Sou a sombra ruim d’algo que cruzou,

Os céus e não era eu era Deu-la-Deu
Infante, honra que de haver me esquece,
Incolor o meu manto o meu cinto,
Dorme em mim, parte dum país sem teto.


Jorge Santos (12/2014)

Canto ao dia, pra que à noite não...



Conto-te o que sei, do que sei
E do que me não atrevo saber,
Não conseguirei eu jamais ignorar
Conto-te do sol que transborda e sobe

P’los meus olhos, da palavra primeva
Secreta que abre nos sonhos a cesta
Do profeta, do que prometeu Eufrates
Ao Tibre, da Maria, da alegria do parto

Sem dor, conto-te da desilusão do desencanto
E do actor sem paixão ter nem a ilusão
De sentir melancolia sem choro do esperar
P’la lotaria sem jogar no gamão

A perda de Deus sem querer conquistar céus
Conto-te o que sei do que sei, do encontro
De mim em mim e não do que fiz d’assim tão
Mal em transportar etéreos sonhos, quantos

Que não entendo mas não abro mão,
Conto-te da inveja que o filósofo tinha
Em rapaz, plo choro dos desterrados,
C ’mo Juíz p’las Tábuas da lei em silencio,

Conto-te quanto me tornei incapaz,
Inversamente à razão, ao vento, ao ar
Que me traz saudade do ser que não sou,
Nem me atrevo cedo a ser o sonhar laudo,

Conto-te tudo o que à minha lembrança
Vier, pois tudo regressa, excepto aquilo
Que a gente perde depois da manhã negar-se,
Em chegar cedo.


Jorge Santos (12/2014)

(Ouçam-me, pra que eu possa...)



Ouçam-me só, para que eu possa…

O que escuto possuí um nó oblíquo como o destino,
Tem vazios e interstícios complexos, ausências,
Prevalece o que puder eu fundear entre as marés,
Amor, saudade ou o que a serenidade existencial

Conseguir não explicar e o que eu escuso,
Apesar de ser segredo, debato-a comigo,
É uma Pérgula d’esguelha com roseiras,
Nem-abertas nem-fechadas, invisível

Da entrada. O que me dói tanto é oblíquo,
Quanto a esfera armilar, do lado onde tudo pende,
É abismo fundo em mar noz, donde parece,
Ninguém vem e onde nem no chão cresce avenca,

Que erre eu o rumo tanto se me dá e ainda assim
Entendo mas não estou errado quando escuto
O preciso momento em que absoluto iniquo
Do meu pensar toca o imo do que sinto,

Se calhar atento, eu escuto a analogia dos erros
Repetidos noutra e noutras dimensões, ironia
Do órgão nativo e sem tempo que dói sem doer,
Mas seduz-me o espreitar pelas frinchas do mundo,

E o enrolar das ondas vela-me aquando a bonança,
Reina e o temporal amaina e me amansa, nasço
Ao destino com alfaias em forma de sinetas
De mil por mil alternáveis movimentos de ir e de vir,

A minha vida cresceu enviusada e em nó,
Ouçam-me só pra que eu possa ouvir
Quem cala e passa, que me diga onde pára
Meu destino, longe amonte e me foge ocioso,

Sem amarra nem mar pra parar,
Onde há-de ele me ir sonhar,
Onde há-de ele me vir sonhar,
(Ouçam-me só, pra que eu possa…)


Jorge Santos (12/2014)

tradutor

center>

Arquivo do blogue