Se por tempo pouco, voltasse a ser novo.



Se por tempo pouco, voltasse a ser novo,
Queria ter no rosto o fundo da alma exposto,
No oposto sempre eu vivi e morro,
Sem ver no espelho o que sinto ou senti,

Se por breve voltasse a ser novo,
Seria o que sempre sonhei ter, o tempo
Pra sonhar o sonho de voltar a ser
Jovem com as barbas russas de velho

Ermita, rugoso e sábio por dentro como lixa,
No coração um olhar de moça virgem,
Surpresa por todas as fases,
Que a vida dela tem e do gozo na lisa pele,

Aposta na face como um troféu,
Resgatado de Atenas ou Hollywood.
Se por breve voltasse a ser moço,
Jamais quereria ter a braguilha no bolso,

E as ideias poucas que por estes dias,
Têm os nascidos velhos por dentro,
Todavia novos, (por pouco) como carcaças,
Remotas máquinas de olhar distante,

Com pouco miolo sob a fina côdea,
Se por tempo pouco, voltasse a ser novo,
Não quereria definitivamente ser carcaça
Seca, mas sim pão daquele que se come velho,

Mesmo com bolor por dentro, como o queijo.
Se por pouco voltasse a ser novo,
Voltaria o rosto pro sol-posto, lá seria
O meu novo lar e esqueceria o outro,

Onde cresci suposto filósofo sem carreira,
Nem clareira, poeta hipócrita, o que sobrou
De mim fica onde ficam todos no fim,
Onde sempre vivi e onde morro,

Se por tempo pouco, voltasse a ser novo...


Jorge Santos (01/2014)

Sem comentários:

tradutor

center>

Arquivo do blogue