Não sei se sei, se não....







Tenho sofrido,
Quer solidão e leveza
Quer de vazios,
Dizer o que sei,

Eu não sinto,
Nem vontade
E contar cura
Não.Tenho sofrido

Independente
Da razão e do
Sítio que liga,
O estômago à mão

que escreve,
Dependendo
Do coração um terço
Que solto,

Solto, faz tempo
Não ....
Tenho sofrido
De esquecimentos,

Mas o que sinto
É que não sou eu
Que esqueço
Onde estou,

Mas tantos outros,
Que me não acham,
No incerto caminho
D'onde venho,

Perguntam à névoa,
Que foi do tolo
Que se perdeu
E esta responde:

-Quem por aqui passa
Com coração à solta
Não precisa guia
Cão, nem tem medo...

Venho sofrendo
De infinitos dispersos
Por tudo quanto vejo,
Unidade na alma,

Esta não vejo,
Estilhaços de azul e céu,
Que agarrei para um uso
Que não sei, se sei,

Se não...

Jorge Santos (06/2016)
http://namastibetpoems.blogspot.com

2 comentários:

Sam i See disse...

Existem momentos na percepção do que se observa sem prestar atenção, um despertar meio que espantado desse não saber declinado, renegado as costas da razão, isso tudo numa fé meio que insana de segurar o que escorrega entre as fendas do coração.

Jorge Santos disse...

A propósito de percepção...

tradutor

center>

Arquivo do blogue