Escolho ...

 


Escolho
Fugir da translação do trapezóide q’gira
Para um universo paralelo, imaterial 
Antes que aos domingos me culpem 
Da desgraça humana e da oca terra,
Mais funda que o ser de sombra sou,
Sou um ser de vidro verde fosco, roxo
Nem a respiração na cara uso, o oposto
É um acto de humildade de que fujo
Deste pra esse outro mundo, doutor
No repúdio e nas estacas dizendo frouxo
Pois não muito a pleura do rosto deixa e dá
Que a sensação de algo mais que de mim
Sou, cópia de “Orc” imundo, “Ogre” russo,
Óscar do indulto a mim próprio, o insulto 
Me delicia como numa contrição curva e fujo 
Da exterioridade absoluta como o Cristo
Sumido da Cripta cova depois do sétimo dia
Ao lusco-fusco, íntimo da dor, a sova uma 
Carícia mórbida e o sorriso um falso esgar 
Que usa ao Sábado na cara e no Carnaval
Se deita fora, oxalá o crepúsculo dos deuses
Não seja adiado e eu não tenha privilégio 
De escolha por via de ter um resfolgar
Divergente do resto dos rostos criados
Do barro e na boca torta donde me vem 
Impuro, poluto o ar … a mão e a terceira
Falange completa o eixo, pai, filho e espírito-
-Santo, ámen … 

Conduz-me a razão.




Conduz-me a razão
E a razão me desvia
por múltiplos motivos,
Por fora eu sou todo eu,
Por dentro, debato-me
Entre a variante forma
De mim mesmo, funda
E abismo, tão falsa
É a vulgar crença
Que o universo gira
Num disco plano
E com que objectivo,
Mas dentro de mim,
Em ângulo aberto,
Eu fechado; um pobre orgulho
Me conduz, cadinho
Do sentir inferior, 
Mitigo inconsciente 
Um outro mundo,
Escapo aos sentidos,
Como caroço de cereja,
Na glote duma velha,
Necessito acreditar,
E parte nenhuma do corpo
Me provoca isso,
Crio razões tal como o Hebreu
Do crucifixo,
Estimo o que não conheço.
Pelo que tenho visto.
Conduz-me à razão,
Morrem no meu peito opiniões,
Assim é o vício do sacrifício
E a comunhão com os fantasmas,
Dos místicos.

Li berdade ...



Liberdade …
Lê verdade , depois “vota” …
Me convenço que sou livre,
Pois voto, sei ler quase tudo,
Vejo mal ao perto,
Li berdade em algum lugar
do “Shopping Center”,
De seguida m’iludem
Não sei ao certo se
Com a mentira ou com 
O erro grosso e descreio
Que sou livre tendo
Realmente acesso vetado
Às Egrégoras e Concílios,
Apenas vejo vulgares montras
Sendo eu de baixa estatura,
Pouco largo de pensamento, 
Receio – minha escura rua, a pele,
Vejo mal ao perto,
Li berdade em lugar de amor,
Não sei onde ao certo,
Se convencem que sei 
Ler o que escrevem, mal escrito,
Mas corro risco de ser preso,
Por delito de opinião,
Quando copio o que leio ou tento,
No muro dos menos loucos,
Pois leio de perto e mal
E nada ao longe vejo,
Que esteja certo,
Nem ontem li berdade,
Me gritava de cimo do muro,
Outro mais louco que eu…
Tsé-Tung / Lenin / Brecht/
Mein Kampf ! Pol Pot …


V de Vitória - Revolução -



Trabalho digno
ou 
V de Vitória Revolução
Julgo que não sou potente 
Quanto um rinoceronte,
Nem inocente é esta voz,
-Motor de explosão-aparento
Reacção em cadeia. Basta!
Sejai pirotécnicos, pavios
E não estrelas d’Hollywood
Decadentes, gastas, mortas.
Napoleão tinha um sonho,
Que não era um sonho,
Na verdade a mão nem era ao peito
Mas na glande e na barriga grande,
Não pode ser inocente a arte de
Quem sofre, nem impotente o lorpa,
Gamela-pote de merda-mixórdia,
Boca pode ser cão d’espingarda,
Não sou escasso quanto o bisonte,
Nem Geronimo acreditava, 
Haver prado pra toda a gente,
Sou potente e é de pólvora
Que vos falo tb. (boa gente qb),
Sejamos, sejai pirotécnicos, gatilhos
Da morte, Revolução é forja,
Ferro e fogo é o mote, o aguilhão. 
Nem mansa é a arte desta glote,
Não pode, nem podem dar-me voz
De prisão, gado gordo é gado morto,
Cavalo bravo é golpe, é galope,
É bairro de pobre, é Maio onde vivo,
Primeiro eu digo -Viva o trabalho
Depois grito – Viva o trabalho 
Digno, derrota não dá escola,
Nem pensão é esmola de preto,
Cinco dedos tem uma mão,
Dois juntos -V de Vitória, acção
É pão …

"Je ne dis rien, tu m'écoutes"



Somente à poesia é que se aplica
A convenção mnemónica de amar sem volta.
Como qualquer fenómeno meteorológico,
Pra ser compreendido, há que ser estudado,
“Je ne dis rien, tu m’écoutes” é o axioma
De ser poeta e eu não consigo alterá-lo,
Mas isso não me explica, nada se explica
Sem ser tocado, somente me reconheces,
Eu não creio em nada, qualquer coisa amo,
Um relógio é uma mesa, igual a beleza 
Dos ramos de uma mesma giesta, tudo
Será esquecido ou apenas eu record’o passado,
Pra ser compreendido há que ser estudado,
Ramos buscam ramos, que seja eu esgalhos 
D’abeto gigante, nada indica que sim, nada se 
Deve achar, a dúvida é em si mesmo um fim,
Somente à poesia é que se aplica, ao agnostico
O tampo da mesa e ao agiota o tempo 
Que se retira a quem se for, mesmo a mim…
Sou conduzido por acidente a um sonho
Sem cura, culpa da memória que divide 
Os erros entre mim e eu infiel, infiéis os líricos,
É a maneira de dizerem o que pensam,
Sem largarem das mãos o céu, só meu,
Sou eu …”Je ne dis rien, tu m’écoutes”


Um buraco enorme em mim.



Um buraco … 
A barraca encarnada,
Sem saudade não é nada,
Como quem perde o destino,
Pesa-lhe a vida passada,
Ainda a julgo habitada,
Pela passagem do tempo,
Esse barraco, era a morada
Do meu sonhar em tempos,
Contará amanhã o vento,
Dentro d’paredes caídas,
Imitação d’Stabat Mater,
Como quem se dá ao inútil, fútil
E sem titulo, de uma vida
Apagada do que fomos,
A barraca abandonada,
Não resistiu ao culto
Do novo, no panteão
Do firme da obra feita,
Do estorvo, mas eu 
Nada sou fora dela,
A barraca é o meu mundo,
Encarnando eu a parte 
Bela dela, barraca,
Barraco encarnado, 
Desgraçados e iguais somos,
Eu a ele, buracos e pregos,
Mais nada. Sem fim,
Um buraco enorme em mim.

Peixes ...




Não me livro desta sinistra coisa, feia,
Que se nota e depois esquece, sou fútil, inútil
Até no que consigo descrever, as sensações
Apenas decoram a minha crença e delas não me livro,

Às vezes dou por mim a pensar,
Se terei nascido do lado errado do mundo,
Pois tudo o que faço, já foi feito 
E mesmo que rasgue este peito,

Fazendo o que mais sei, não surte efeito,
Se é que é um feito, fazer o que tento,
Se o mesmo foi feito por todos,
Nascidos do lado certo de tudo.

Se tive sete minutos da vossa atenção,
Foi o mais íntimo que vivi em vós outros,
Não o tempo que gastámos juntos, não
Somos dois ouvindo, mas um falando só,

Falar queria eu falar, na língua dos peixes,
Pra discursar sobre o equilíbrio
E me livrar daquilo que é ter peso
E não ter nada pra dizer aqui na Terra

Que seja novo ou verdade, mas aos peixes,
Ah, os peixes sinistros, feios,
Deuses me livrem ... não me livro desses
Peixes.






Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Sou pasto de fogo fácil



Sou pasto de fogo fácil e melancolia dessa 
Que passa depressa mas acho que sou, 
Provavelmente o mais alegre dos homens à Face
Do mundo, não sou um optimista, 
Espero que o fogo por mim se propague 
Sem que eu o atice, nem protagonista sou
E não conto com a chuva pra que se
Extinga um fogo, um pessimista é alguém
Que não confia na ajuda divina,
Penso que provavelmente faço da
Melhor poesia do mundo na língua que me Deram
A entender e me cumpre engrandecer,
Assim me ajudem os deuses.

Pode ser poesia outra coisa senão
Sensações sensíveis, emoções emocionais,
Intimidades intimas, experiências
N/experimentadas, temperamentos n/ 
Temperados, frases inesperadas, 
Manifestação de descontentes,
Pensamentos como de quem pensa
Valer a pena sem deveras valer, 
Sentir arder, sofrer, sangrar sem nada disso
Ter, seja alegrar o doer, depressa o devagar, 
Lento dentro dentro dentro ...

Pode ser poesia o luar,
A ciência dos astros, também pode ser
Um eucalipto a arder e o verão no verão;

Dizer é peculiar, Deus é deus,
Pode ser poesia o luar acrescido
E o prazer que tud’isto me dá,
Que outro não há na terra,
Tão imortal como este,

Sem ser dos Deuses e o meu
Mar, pode ser a poesia,
Outra coisa senão sensação
Emocional, manifestação
Do pensamento ou fenómeno externo,
Extremo e inteiro ...




Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Minha alma é um lego





Minha alma é um lego


Minha alma é um lego aos bocados,
Pena eu não os saber montar certo
Nem direito, sobram sempre peças
E o mais difícil é montar as palmas

Nas mãos e na ponta dos dedos, as 
Unhas e o encantamento na floresta
De cabelos, não recordo cada um dos
Pelos ou a ordem por que são postos

Os cotovelos, apostos ao torço,
Não sei desmontar palavras,
Sinto-lhes a angustia de sentirem
Presas a mim, tanto que não posso

Definir o que sentem ser amor ou 
Ódio por serem presas e não guelras,
Que nos pregaram na boca.
Minha alma é um leque aberto q-b.,

Minha alma é um lego e os pedaços
Pensam não os saber montar, nem certo
Nem direito, falta sempre o pulso no braço
E o mais difícil é montar as palmas

Em pleno voo, abertas quando.bato.asas,
Fechadas porque as celas tem grades,
Querendo eu escrever meu nome no
Espaço Em Letra Grande Gigante, Maior

Que o Maior Monte, Lago ...





Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Quero o beijo antes que seja boca,




Quero o beijo antes que seja boca,


Quero o beijo antes que seja boca 
A íntima delicadeza do fazer amor !!!
A sensação de grandeza ao cantar o hino
A agudeza do orgasmo e a cor dos sonhos

Um flor e uma ponte ligadas por um arquitecto
Louco, quero sobretudo o beijo antes que a boca
E as orgias de tudo o que me é exterior 
Pra que possa ver do outro lado, 

As coisas sonhadas do lado de cá de tudo,
A íntima delicadeza do fazer amor !!!
A agudeza do orgasmo e a cor dos sonhos,
A sensação de grandeza ao cantar o hino,

A certeza de uma boca meio-aberta,
O movimento com que cinjo a tua cintura
E a aperto contra mim em linha recta,
Tal como a intercessão de pensamento

Que tento e não consigo, não sou mágico,
Não sou magnífico, o que digo é o que sinto
E o que a alma deixa cair no chão, se parte
Numa sucessão de pedaços que não é carne,

Não é sangue mas dão a sensação de ser boca,
Perdida enfim a fé no beijo antes de ter vida, 
Mas não neste meu ritual que é falar despido,
Sentir que te aperto contra mim por puro gozo,

Não por estética, efémero o beijo, a troca
Da dor pelo amadurecer, da serra o amarelar
Do chão ... 






Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com


(Demente em contra-mão)





(Demente em contra-mão)



Pra mim o inferno
É onde toda'luz é rara,
Dispersa a névoa,
Suspensa no dia,
Em que tud'é pó
E no que me fizer então,

Pra mim o paraíso
É aí e só falta beber
A ira d'est'alma torda,
Que me conjura e dói,
Como o instinto aceso,
Dum louco no verão,

Pra mim o inferno
É onde me sento,
Timoneiro de cento
E um torpedeiros e penso
Se amanhã serei eu pó
Em contra-luz, eu não,

Apenas céu e vento lento,
Minh'alma sem ralho,
Bocejo de "gajo" manso,
Disperso, infeliz "à sorte"
De fruta podre e tão só...
(Demente em contra-mão)







Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com


Como rei deposto numa nação de rosas ...





Como rei deposto numa nação de rosas,
Tenho palavras sem futuro, sem álibi
Nem provas, a recordação é um mito
Tal como o universo é infinito, as rosas, flores.

Coroai-vos de espinhos e tereis ares de rei,
Coroai-me das mesmas e renunciarei nesse dia
Ao trono temendo que elas aí murchem,
Tal como a maioria dos homens que sonham

E não podem ter, sensibilidade é aquilo que
Não se pode possuir, digamos que é
Preciso sentir pra ser leal à ideia do príncipe,
Ser vencido é abdicar dessa realidade de

Dimensão divina como rei deposto numa
Nação de rosas, vê-las é o sentimento desfraldado,
desfeito o pau da bandeira, do Império,
Como um rei deposto numa nação sem rosas,

Um testemunho antigo acrescenta à razão
Não só o que me faz, mas o que traz meu
Coração súbdito do rei, do reino longínquo
Que é onde a utopia é estrela e a coroa é de farsa ...






Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com


Põe flores no meu quarto ou não, nenhuma ...



Põe flores no meu quarto,


Nem só as casas geram ruas,
Ao passar destruí-as uma a uma,
Duas a duas, nenhuma resta 
Durmo a céu-aberto, m'embala

A alma, não preciso de tecto,
(Põe flores no quarto ou não,
Não ponhas nada por enquanto)
Vivo sem querer, sonho sem sentir,

Caminho, não para passear em ruas,
(Falsa idéia essa de serem casas)
Onde ando concerteza não é certo,
Nem só as casas geram luz,

O coração humano é um universo,
Não o ver é estar dentro ou perto,
Procuramos e não vemos nossas casas,
Contemplamos a distância com timidez

De vaga-lume, usamos guarda-chuva
Aberto quando a alma não precisa
D'tecto, nem o arame do trapézio
É fixo, a giz se desenha e altera,

Há que não fechar duas a duas, 
As janelas das ruas, uma a uma,
Quarto a quarto, certo no Homem
É o génio, esferas serão casas,

Nós os anjos...




Jorge Santos (05/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com


Matéria é escuro e o ouro...





A matéria é escura ...



Leve, leves as sombras almas,
A ciência aos espíritos não importa,
Em analogia a luz é a ribalta,
Aos olhos do oculto, do mistério,

As minhas visões são mero limo,
Ideia abstracta e nua o que penso
E vejo como velas, se não houver
Luz e vida agora, minha alma será

Apagada de vez, mais valia estar
De olhos fechados, vendo a sombra
De meu mestre, que assistir do
Alto da torre do sino ao fim do dia

Breve, breve a sombra das almas,
Vieram para louvar a ânsia de viver,
A ciência aos espíritos não importa,
A arte é o outro lado, a dança eterna,

A vida escura que nem o meu
Respirar interrompe e onde os
Sentidos meus se movem como fumo,
Em analogia a luz é a ribalta 

E o ouro... matéria é escuro.











Jorge Santos (04/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Coroai-me de espinhos frios ...




Coroai-me de tudo 
Quanto dói, rosas de espinhos
Pra me crer um crivo 
Que vive cirandando

Nesse corpo pra morrer,
Pois ele me devolve
Tanto quanto sente,
Coroai-me de tudo que é feio

E do que é estranho, do sabor da pimenta.
Vivo no rosto dum estrangeiro
Vindo d'França, que ninguém entende,
Coroai-me de flores murchas,

E estas se julgarão gente dest'mundo
E donas do meu coração,
Já que por fora não pareço quem sou,
Coroai-me de espinhos tortos,

Vodu ou solidão ,
Consciência de broca,
Aquela de que me tornei
Amigo, ela me envolve

Do tecido com que é feita,
Antigo quanto a passagem
D'onde tudo volve e avança,
Excepto minha alma cansada 

Duma vida de peneira andante ...










Jorge Santos (04/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Cinza cinza ...





Cinza cinza ...




Extraio coisas tão pequenas,
Que nem ausência possuem,
Quando apenas nuvens, antes
De se integrarem no que devem

Ser e são em mim peculiares,
Assombrosas velhas/vestes, sonho
O Evereste e só de pensar o
Destruo, ao que me parece

Acanhado e estranho, despido
Tal e qual um peixe-triste,
Extraio coisas tão pequenas,
Quantas o mundo me deixe,

Ecos sem qualquer crença,
Ou semelhança no fundo 
Ao sentido que se diz "ser tudo",
Meu próprio papel e embrulho,

Me convenço depois de nada ser,
Apenas ausência de claro/escuro
Que tod'a presença em mim possui, 
Excepto cinza, cinza e escuro,

Nunca tive a arte da tinta fresca,
a alquimia da cor certa, estimula-me
O cinzento, embora consiga pensar
A preto nos mundos que criei, improviso,

Pinto cinza inclusive a luz do sol,
Inevitávelmente a nudez humana,
Cinza o que não me fizeram ser,
As avessas do meu ver,

Coisas tão pequenas, a repetição
Dos dias sempre iguais, a competição
De um relógio parado, com a parede
Em frente, cinza escuro.









Jorge Santos (04/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Nada me faz encanto




Nada se faz cantando





Nada acontece -a única veleidade é no que digo,
Importância -a falácia menos feliz fútil do mundo,
A felicidade -uma incongruência ilógica, falsa, 
De certos loucos, nada me faz encanto, 

Excepto a certeza na minha ínfima percepção de fim,
Sinto o que vejo tal como um escaravelho
Empurrando uma anónima vida passada
Como que por engano, sem cura. Ternura ou medo

São elementos consumíveis tal como um cabelo,
Um milhão de velas acesas não evita uma guerra
Nuclear tal como um prego não serve de casquilho, 
Frente a frente a realidade é bizarra e bizantina

Tal como toda a liga que não se liga a nada
"Is this the end", Nada se faz cantando,nada me faz
Cantar, é um prazer que não volta, gozo não
É cura para o que sinto, baço sonho e efeito.

Apalpo o destino como num tempo outro, antes
De acabarem os Deuses, antes mesmo de haver nada,
E é com isso que lido por loucura ou medo,
Constipa-me a deslocação do ar e o mínimo

Bocejo me contenta, nada muda o que basta,
Nada se faz cantando, quando pouco falta para
O fim do mundo, acima fica o que sinto,
Já nada se faz sentindo, tudo me faz cansaço ...

(Nada faz sentido)











Jorge Santos (04/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

(Meu lar é uma taberna)



Qualquer brisa de ar me serve,
Mas balouçar no trigo o olhar,
Minh'alma não consegue,
Nem este obedece ao qu'digo,

O mistério são as fontes,
E o que penso a sós comigo,
Sopra-as "Ítalo", o vento grosso
Ou a sombra rente ao chão,

Minha catedral é uma 
Caverna escura, loucura
A crença que nem a religião
Daquela forma suspensa,

Sem vestes me veste, largo
Um coração que trago,
Amargo, amarrado junto
Ao crâneo que não é mágico

Quanto o de "Shakespeare", 
Evoco um Rei deposto oculto,
Certo que voltarei um outro
Rosto, aposto à luz ou ao luar,

Qualquer brisa breve serve,
Meu sonhar amarelo-pálido
Trigo, leve minh'alma sofre
Um sofrer que não vem só,

Mas obedece ao castigo divino,
Assim seara ceifada a foice,
Como fosse erva da mina,
Ou de uma velha seca fonte.

(Meu lar é uma taberna)



Jorge Santos (04/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com


(Vive la France)




Que m'importa a idéia sem o Dólmen ...



Que m'importa o Dólmen sem a aldeia, 
Viriato sem o entusiamo e um coração
D'Vate duma nação que nunca foi triste,
Não sei que pense ou se me entristeça,

Ser feliz é desejar sê-lo e a idéia é a ultima
Que morre, não o homem nem a justiça,
À ilusão se chamará esperança, o Homem
Não significa nada sem a voz humana,

Nem Roma se escreve como o nome de Creta,
César sem crença seria Roma sem o recinto, 
Viriato sem o entusiamo d'uma nação ou Tito
Sem "Partisans", não teria unido a Jugoslávia,

Poder comparar é um mito, a Torre de Babel
Um pensamento, o novo testamento apenas 
Um livro mal escrito se não houver convicção,
Que importa a mim a idéia sem o Homem novo,

Um Dólmen sem povo - o Asterix e o Druída -
Cristo sem Césares não teria nome, seria brisa
Eu talvez nem seja paisagem, mas sou aquele
Que se inquieta e mistura o pau com a bandeira 

Na alma pra construír uma idéia da lava
Menos calma, a partir da aldeia em chamas,
Que m'importa o Dólmen, (Vive la France)
Morra a indiferença, (Morra o Dantas, Pim ...)

Pam-Pum ...






Jorge Santos (04/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com


Antes da manhã chegar ...








Antes da manhã chegar


já tu chegaste à janela,
Agora ela é tua e a tela,
Assim, todos quantos vês
Na rua olham dentro dela

Quanto tu, na mais lenta
Das ruas desta cidade,
Abres-te prá sua claridade,
Agora ela é tua e tu dela, 

Assim quanto de todos q'virão,
A sensação de jamais
Ser tarde sombria pálida,
E antes do amanhã chegar,

Já chegaste à janela,
Entra na tela tal e qual garça,
Faz parte do que está dentro
Da minha própria carne e sangue,

Ela é o quê de tanta coisa
Que é preciosa, é a vida nossa
Sonhada e eu estou de luto,
Sem desejos nem sandálias,

O mundo abranda e me enlaça,
Tal como a rua e praça,
Amanhã me revelará qual,
Se esperança é miragem,

Rua/tela ou a morte que temo,
Assim todos e tanta gente
Bela e fria, dessa cidade impala, 
É verdade, chegaste à janela,

Abre pra entrar claridade,
Enquanto a Terra é i'nda é bela
Sê tu cidade, sê eternidade,
Sê tela ... janela garça...






Jorge Santos(02/2018)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Não tenho pressa …




Não tenho presa nenhuma dúvida que seja,
Não tenho presa dúvida nenhuma a mim,
Absolutamente nenhuma à solta dentro
Do corpo, nas solas as mãos terminam
Onde começam os quatro sentidos d’outros,
Sinto definitivamente não ser ninguém
Neste mundo, demito o tornar-me nesse
Rei do vulgar e do vulgo tal e qual morto 
Em lugar findo deste reino onde não reino
E sem dúvida não é meu, demito-me inda
Do peso de sentir por todos a lua que seja
E o mistério dos braços prenderem o corpo
À alma e das gotículas de geada os dedos,
Quadrados cotovelos e o coração absoluto
Zero (noves fora), prefiro as solas aos sapatos
Que alego serem meus e depressa, antes 
Que dêem pla falta deles manhã cedo,
Antes do começo dos outros e meu eterno
Delito, término e gémeo falso do infinito,
Qualquer dúvida fica inteiramente entre
Mim e a fala e até que, do falar m’esqueça, 
Não tenho pressa …

Em Parte, confesso-me …








Confesso-me contínuo do espaço,
Tudo que faço, fazia dantes,
As pontes passam e eu sem
Mudar d’sítio qu’me sento, qu’faço 
Do rio que passa por debaixo,
-Pedra, papel ou tesoura-
Pobre d’mim, supondo-me ponte…
Confesso à margem “leste” optar
Por esta, mais jovem que a 
Outra, longínqua me parece,
Descontínuo é o rio que m’atravessa,
Normalmente caminho sobre ele,
Tudo que faço, fazia dantes,
Continuo alternando o que me 
Define, erro é não reconhecer
O que me impele que atravesse,
O motivo, tão somente porque 
Da ponte não passo, ela por mim sim,
Tempo é, de voltar a ser rio,
Cingindo-me às margens onde minhas
Mãos germinam, em espaços e rochedos
Contíguos à dor, ao sofrimento, 
Conforto-me na tristeza, amo
Tanto quanto odeio a matéria de que faço
Parte, confesso-me feliz com o pôr-do-sol
E triste como um entardecer,
Continuo a regular-me plo visível e o que me
Explica cultivo debaixo de “totens” e pontes,
Tudo que faço, fazia dantes em parte,
Confesso-me …



Em Vila, Praia ou Âncora …





Não fosse chuva eu já ser, 
Mar não me faria …
Vila, praia ou âncora forte,
Trafalgar, “V de vingança”, 
Caio com’a chuva cai
Sinto-me não gente, 
O que quer que diga
É brando leve … leve,
Há quem louve ou ignore
A chuva, mesmo a séria
À janela e ao algeroz da telha,
Mas à chuva caio em mim,
Persigo o ritmo da que cai,
Branda e leve leve e pura,
Fura-me a pele e a mente,
Sinto-a tanto, sou gente
Ao d’Leve, leve branda a pele,
Que m’enleve o vento,
Levo o tempo, imortal
Me fez, m’faz chuva e chover
Fará outro e outros, chuva 
A ter, valsa da chuva, valsa
Dos monstros, angústia
É sentir peso, a chuva não dói,
Caio com’a chuva cai,
Sinto-me vivo e leve, 
Chove com paixão,vejo
No mar em frente uma ilha
Lá fora a barca, o paúl ao mar
Inútil lhe parecia, um braço,
A espuma e a praia, rente
À minha saudade parceira
E uma tarde mansa de estar
Na beira do que sinto,
Serem as gaivotas tantas
Por mim chiarem,
E ao meu ritmo d’galgo,
Talvez sentindo paz
Nesta minha dor, algo
D’mar partindo, mar de s’achar
Entre a espuma e eu a dançar
E o que a praia pintada d’branco
Me transmite em ondas
De ausência fria, chove em mim,
Tal e qual em gente,
Caio com’a chuva cai 
E o quer que diga sinto,
Ou é a frio ou lava rubra, 
Faúlha quente, mas sempre,
Sempre caio, com’a chuva cai,
D’enviesado e d’frente,
Brando e leve, fura-me a pele, 
Fosse chuva eu ser,
O mar me faria em temporal,
Faísca, pranto, brado e
Branco quando quebrado, 
Em Vila, Praia ou Âncora forte,
Trafalgar, “V de Victória”
Ou morte …

Inalterável a dor …





Inalteráveis as cores, no Homem do depois…
Inalterável é a dor, a cachaça
E um antropólogo em Marte,
Inalterável a minha sede de voyeur
E a metafísica do terror,
Inalterável até o leite
Da Deusa Hera e o que é óbvio, 
Mas eu não altero em nada, 
Seja o que for que sinta,
Seja ele quem for, inclino-me diante
Quem é alterável quanto a minha dor, 
Que alterna entre a brava fúria,
E essa à qual me converto por amor,
Quando uma pessoa quer ver
Repetidamente os mesmos padrões
Nos gestos, nas estrelas mestras 
E os mesmos sorrisos nos rostos dos outros,
Imutáveis quanto o castigo, quer nos céus
Como nas gentes e nos despojos
Que as inúmeras vidas nos deram,
Quando alguém quer tudo isso, herdado e
Duma só vez na breve vida, torna-se autista, 
Inalterável, incolor pó …
Inalteráveis do galo o canto e o temor a Cristo,
O lusco-fusco, o crucifixo e o Confúcio
Se ele existiu, sonhar eu existir não altera
A dinâmica dos sonhos nem a marcha real
Dos dias, também ao manifestar-se, o cosmos 
Ao ouvido meu, parece todo’dia e sempre igual …
Alteremos pois, as cores no Homem de hoje…

A lucidez na loucura ou os cabelos de Berenice




( A lucidez na loucura)
Tenho pensamentos quasi’venais
Nos beiços, na língua, no queixo, em braille 
Nos cotovelos, nos quasi’brancos cabelos
Com’a Berenice tem, belos…belos,
Pudesses tu vê-los,sabes… se
Soubesses do que falo, dito 
Deixariam d’ter segredos,
Os maciços de nebulosas distas
Das alamedas de lata podre, 
Lar das princesas feias, Ogres
Alimento infinito de orgias, vaginais
Meus sonhos de imenso e magias,
Tenho pensares tais e diversos,
Quantos os beirais das vielas sombrias,
Vagas quanto das veredas de terra greda,
As estrelas que avisto no espaço,
Pudesses vela-las tu p’las 
Frestas da lona suja, verias fábulas
Dum crédulo, à luz de luz incerta,
Roto e sonhando-me do cosmos,
Mago majestoso em Terra-finda,
Vejo em tudo que brilha,
Ouro, só sal ódio e erva-minga,
Destroços de qualquer cometa,
Bairros de trolhas, imundice
Ratos, puxadas ilegais de luz
Tal e qual cabelos de Berenice,
(A lucidez na loucura)
Não passamos de minhocas, 
Que brilham a preto no escuro, 
Na textura do espaço/tempo,
Explica-mo-lo a ouro e sinais
De néon no vácuo que ficará
De nós depois do circo ir embora,
Erva gasta e podre, lixo
E um hino de horror à vida
Na Terra nossa gémea, dos cabelos 
Verbais que Berenice tem,
Soubessem eles que, realmente 
Falo da lucidez na loucura .

(Busco a eternidade-num-saco-vazio)





Só basta a eternidade a mim,
Só me basta a eternidade,
Não quero ficar “pra-história”,
Apenas por falar “falas-de-bruxo”,
Nunca ninguém houve “em-tempos”,
Nem teve por nome “chamar-se-eu-mesmo” isto,
Como eu me-chamo de-místico,
Só me basta a eternidade,
Pois que nada me é precioso demais,
Sonhar não é preciso, se o que faço é desperto,
Dormir é o paraíso, porque não dormir 
Eu pra sempre,
E aquilo que sonhasse,
Fosse eterno,
Só basta a eternidade a mim,
Continuado já eu me suponho e prolongo
Nisso que digo sem esforço,
É como soltar o ar dos pulmões…
Como sentir o peso do cabelo,
Não o sinto, nem os sonhos pesam,
Penteiam-me os cabelos,
Assim a eternidade é uma condição
Que não me pesa, pois não a tenho,
Não a sinto sob a fronha,
No entanto brinca comigo 
E com o meu desejo,
Só basta a eternidade,
A mim que a todo o momento morrerei
De enganos, disfarçado em dia
Que dá luz a tudo e até aos ombros
E aos passos que dei,
Acima de tudo sabendo
Que um dia morrerei, como tudo
Que se parte e se foi,
É isso que os poetas tendem
A ser, parecidos ou iguais ao que flui,
O que me resta é guardar o tempo
Bem dentro, assim como uma flor seca
Se guarda num livro que não se lê,
Soltar o ar e seguir o vento,
Pra parte alguma,
Quanto basta pra ser eterno … 
(Busco a eternidade-num-saco-vazio)

tradutor

center>

Arquivo do blogue